quarta-feira, 27 de agosto de 2014








Não me afastar de você

Disseste tudo ao dizer:
 Quando a ausência de mim
 Fizer presença em meu ser,
Visitarei a mim mesmo,
 Para não me afastar de você.
Quando o peso do dever
 Em mim soterrar a alma
Entre os escombros da vida,
Quero flutuar qual pluma
Na leve brisa da calma.
 Quando o dizer tiver o poder
De revelar o que não quero,
 Paro a pluma, guardo a voz,
 Me rebelo no silêncio
Para me manter sincero.
 Antes da noção do certo
Se revelar um engano,
 Saio do cotidiano:
Adentro em outras rotinas,
Noutros mares vou pescar.
Não quero porto seguro,
Só âncora, vela e mar.
Âncora para ser meu porto,
 Vela para me levar,
Mar para, no litoral,
As minhas ondas quebrar.
                          Rubem Alves


"O rio passa ao lado de uma árvore, cumprimenta-a, alimenta-a, dá-lhe água...
e vai em frente, dançando. Ele não se prende à árvore.
A árvore deixa cair suas flores sobre o rio em profunda gratidão,
e o rio segue em frente. O vento chega, dança ao redor da árvore e segue em frente.
E a árvore empresta o seu perfume ao vento... Se a humanidade crescesse,
amadurecesse, essa seria a maneira de amar."

6 comentários:

  1. Poesia e mensagem lindas! Ótimo dia e tuuuuudo de bom!bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Que lindo!!!
    A humanidade não entende que amar é diferente de usar as pessoas.
    A gente ama pq ama, não precisa de um pq para amar.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Minha querida Cidinha

    mais um poema maravilhoso que adorei ler e deixo o meu beijinho com carinho.

    Sonhadora

    ResponderExcluir
  4. Maravilhosa escolha, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  5. Lindissima escolha, amiga!
    Versos mt verdadeiros.

    ps:Finalmente voltei!

    ResponderExcluir
  6. Oi querida Cidinha, que lindo!
    Ninguém quer ficar só, né?
    Beijos e tenha uma ótima semana, beijos e fique com Deus!

    ResponderExcluir

Pode comentar!